Share |

Reposição da verdade - direito de resposta

«O PS/Olhão deu conhecimento, em comunicado remetido aos órgãos de comunicação social, que a proposta apresentada pelo executivo da Câmara Municipal de Olhão, na última Assembleia Municipal, “mereceu o apoio de todas as forças políticas” com representação na Assembleia Municipal.

A Concelhia de Olhão do Bloco de Esquerda, por considerar que tal realidade não corresponde à verdade dos factos, vê-se na obrigação de evocar o direito à resposta e de rectificação dos factos sobre a matéria em causa.

Na Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Olhão, que teve lugar no dia 25 de Junho de 2012, o executivo camarário apresentou a proposta para a contratação de um empréstimo quadro com o estado, através do instituto Financeiro para o desenvolvimento regional, IP (IFDR) referente à empreitada de requalificação dos largos da zona histórica de Olhão – PRU Olhão, no valor de 194.245,50€.

A bancada do BE na Assembleia municipal de Olhão votou contra a proposta do executivo liderado pelo socialista Francisco Leal por não ter recebido, no âmbito dos trabalhos da Assembleia Municipal, qualquer estudo de “custo/benefício” para o Concelho, ou outro qualquer documento que lhe permitisse analisar a proposta e emitir, no mínimo uma opinião.

A bancada do BE na Assembleia Municipal de Olhão não votará propostas que careçam da documentação necessária a uma análise cuidada e altruísta.

Neste caso concreto, os deputados eleitos à Assembleia Municipal de Olhão pela lista do BE consideram que, tendo em conta que a decisão para a aplicação de qualquer verbas deve ser presidida por uma opção política, existem obras mais importantes para realizar e onde a urgência de uma verba idêntica é fundamental.

A Concelhia de Olhão do BE considera que os milhares de desempregados registados no Concelho de Olhão e as contínuas descargas de esgotos para a Ria Formosa deveriam merecer maior atenção por parte do executivo da Câmara Municipal e do PS/Olhão, dado estes serem as verdadeiras alavancas do pleno desenvolvimento do Concelho, na sua riqueza humana, paisagista a cultural.»