Share |

3º Placard - Retratos de Olhão (Apoiar a Pesca Tradicional)

PROMOVER A PESCA TRADICIONAL E A SALINICULTURA SIGNIFICA MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA.

 

Sabia Que:

 

As artes tradicionais utilizadas na pesca, apanha de moluscos e bivalves e na salinicultura, devidamente enquadradas nos requisitos legais de protecção do ambiente e das espécies, constituem uma mais-valia em termos da qualidade do produto obtido e da satisfação do consumidor?

- devido às óptimas condições de reprodução e crescimento das espécies proporcionadas pela ria (renovação das águas e dos nutrientes, abundância de alimento, abrigo e resguardo), as capturas de pescado de qualidade são uma evidência;

- devido à existência de condições naturais (ria/estuários) e ao elevado número de horas de exposição solar por ano, a qualidade do sal obtido é única (diversificação de minerais indispensáveis à saúde, especialmente a flor de sal; apuramento do sabor dos alimentos com utilização na gastronomia gourmet), para já não falar do papel importante das salinas na constituição de ecossistemas ricos e equilibrados que se devem preservar (aves; vegetação envolvente);

- devido a constituírem actividades ancestrais que passam de geração para geração como património de toda uma comunidade, “saber-fazer”  que deve ser valorizado e protegido (em termos de emprego, da criatividade e de uma relação correcta com a natureza) mas também ajustado aos novos desafios (ambientais, de higiene e saúde pública, de dignificação do trabalho, de relação com os mercados – locais, turísticos, exportadores)

 

Estas actividades têm sido a pouco e pouco abandonadasdevido a estratégias macro-económicas erradas e a uma política camarária pouco activa na protecção e dinamização do sector?

- a má negociação das quotas de pesca face à grande extensão da nossa Zona Económica Exclusiva, os acordos comunitários para abate de embarcações e a extinção do acordo de pesca com Marrocos, as exigências legislativas desajustadas e desiguais no campo da concessão de licenças, da obrigatoriedade de venda do pescado em lota e da utilização das embarcações, provocaram a perda de importância do porto de Olhão e a diminuição drástica de efectivos e de embarcações (mais de 50% de pescadores abandonam a pesca como actividade exclusiva; diminui em 70% o número de embarcações na pesca tradicional);

- apesar da existência de um gabinete local de apoio à pesca, a Câmara de Olhão limita-se à informação sobre fundos comunitários de reconversão ou a homenagear as actividades reduzindo o seu significado à história, o que não protege nem dignifica o trabalho do pescador e a economia local.